sexta-feira, 17 de julho de 2015

A justificação pela fé e o cumprimento da lei

Falarei dos nossos pecados recorrentes. Você tem lutado contra práticas pecaminosas e sentimentos indesejáveis. Nossa tendência é enfrentar a tentação com as próprias forças. Imaginamos: agora que sou cristão, não posso mais pecar. Mas esse raciocínio está errado. Corrigindo-o, seria assim: agora que sou cristão, posso pecar. Mas como? Paulo escreve em Romanos 8.1: nenhuma condenação há para quem está em Cristo Jesus. O pecado atrai sobre si condenação - a ira de Deus. Quem está em Cristo Jesus, por causa de Cristo Jesus, está em pecado e, por isso, livre de condenação. Convém saber o que é estar em Cristo Jesus e como alguém passa a estar nele. Estar em Cristo é o mesmo que ocupar uma posição. Eu era estrangeiro; agora sou filho. Chegamos a essa posição unicamente pela fé. Ou seja: se creio que estou em Cristo Jesus, estou em Cristo Jesus. A luta que então começa se dá entre o que nós fazemos e a posição na qual fomos colocados: estou em Cristo Jesus (logo estou livre do pecado), mas continuo pecando. Por que continuo pecando? Porque continuo sendo tentado a pecar. Paulo explica, em Romanos 7, que a vontade de pecar é como uma compulsão. Como funciona a compulsão? Eu quero fazer justamente aquilo que não quero fazer. Aquilo que eu mais detesto é o que eu me sinto obrigado a praticar. A vontade de fazer aumenta justamente quando tento não fazer. Na minha cabeça sei que é errado e me condeno por fazer, mas nos meus membros a vontade aumenta de modo incontrolável. Como escapar desse círculo vicioso? Crendo que você está livre da lei, como Paulo diz. É a lei que alimenta a compulsão. Foi dito: eu quero fazer aquilo que A LEI diz que eu não devo fazer. O pecado opera em nós para que não cumpramos a lei. Cristo nos liberta do pecado quando nos liberta da lei. Cristo nos liberta da lei cumprindo-a totalmente em nossa lugar. Quer dizer que nós não precisamos mais cumprir a lei. Ou seja: em última instância, você pode pecar. Nenhuma condenação há - lembre-se. Mas, quando você se dá conta disso - de que pode pecar -, a compulsão a pecar desaparece. Cristo nos liberta da compulsão do pecado. Mas é preciso crer que podemos pecar. Cristo nos dá essa liberdade. A luta que então se estabelece se dá entre a condenação da lei sobre o que fazemos e a verdade de que estamos completamente justificados em Cristo pela fé. Eu peco, mas sou santo. Mesmo pecando, sou santo. Como isso é possível? Unicamente por causa de Cristo. Essa é a justificação pela fé. Crer-se santo para ser santo. Se toda vez que peco, digo que a obra de Cristo não adiantou, nego a cruz. Porque a cruz diz, toda vez que peco, que sou santo, apesar de haver pecado. Não se trata de negar o pecado. Trata-se de crer na redenção de Cristo. Crendo nisso, o pecado perde o poder sobre nós. O pecado, perverso como é - argumenta Paulo -, tem apenas um objetivo: nos fazer negar a cruz de Cristo, quando dizemos que somos ainda pecadores, mesmo sendo santos pelo seu sangue. Não somos justos nem santos pelo que fazemos. Somos justos e santos por causa de Cristo. O domínio que o pecado tinha sobre nós baseava-se na lei. Era o domínio da necessidade de cumprir a lei, o que alimentava a compulsão, como foi dito. Sem a necessidade de cumprir a lei, porque Cristo a cumpriu, podemos pecar, ainda que não precisemos. Mas só alcança essa libertação do poder do pecado quem crê que, mesmo pecando, está limpo pelo sangue do Cordeiro. É a loucura da mensagem da cruz. A liberdade para pecar conduz à liberdade para não pecar. No momento em que você crer que nem mesmo o pecado pode te separar de Deus, por causa de Cristo, o pecado perde o poder sobre sua vida. As quedas podem até acontecer, mas a acusação já não tem lugar, nem a compulsão. A compulsão do pecado é vencida pela fé no perdão irrestrito de Deus. A compulsão do pecado é vencida pela fé na liberdade total em Cristo, que é liberdade para pecar e para não pecar. Quem acha que só é cristão quando não peca ou que precisa parar de pecar para então ser cristão está vivendo debaixo da lei e ainda acredita que o mérito de Cristo não é o bastante, precisando ser complementado pelo mérito pessoal. É primeiro necessário acreditar em Cristo e no perdão que está em Cristo para, com o tempo e com o aumento da FÉ, deixar de pecar. Não deixamos de pecar por um esforço pessoal, mas pela crescente fé no fato de que já somos santos e de que não precisamos mais pecar. Tudo vem pela fé. E fé é antecipar aquilo que ainda não é. Você ainda peca? Pois se veja como alguém que já venceu o pecado e glorifique a Deus por isso. Você agora está colocado nas regiões celestiais em Cristo, sem pecado, porque lavado pelo sangue do Cordeiro. Fixe-se nisso e as obras da carne, pouco a pouco, deixarão de ser praticadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bem-aventurados